quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

A menina que semeava



Livro: A menina que semeava
Autor(a): Lou Aronica
Editora: Novo Conceito
ISBN: 978-85-8163-240-7
Ano: 2013
Páginas: 416
Classificação: Ficção, Sick Lit


Sinopse:

Chris Astor é um homem de seus quarenta e poucos anos que está passando pelo mais difícil trecho de sua vida. Ele tem uma filha, Becky, de 14 anos, que já passou imensas dificuldades até chegar a se tornar uma moça vibrante e alegre, mas que parece que terá que enfrentar mais um grande problema em sua vida.
Quando Becky era pequena e teve câncer, Chris e ela inventaram um conto de fadas, uma fantasia infantil que adquiriu vida e tornou-se um terrível, provavelmente fatal, problema.
Agora, Chris, Becky e Miea (a jovem rainha da fantasia criada por pai e filha) terão que desvendar um segredo: o segredo de por que seus mundos de fantasia e realidade se juntaram neste momento. O segredo para o propósito disso tudo. O segredo para o futuro. É um segredo que, se descoberto, irá redefinir a mente de todos eles.A menina que semeava é um romance de esforço e esperança, invenção e redescoberta. Ele pode muito bem levá-lo a algum lugar que você nunca imaginou que existisse.
Uma fantasia que trabalha assuntos densos como a separação dos pais, oncologia infantil, separação de filha e pai, adolescência. A menina que semeava não é um livro sobre adolescentes comuns. É sobre uma que se deparou prematuramente com a ameaça do fim e teve de tentar aprender a lidar com ele.



Minha opinião

Ler sobre doença, de qualquer tipo, definitivamente, não é um passeio pelo mundo da fantasia.
Mas foi exatamente este o caminho que Chris, pai de Becky, encontrou para afastar a dor e feiura do câncer, da infância de sua filha, de forma que ela conseguisse suportar de forma melhor tudo o que uma doença tão agressiva causa.

Becky foi diagnosticada com leucemia ao 5 anos de idade, e estava em remissão. ao 10, seus pais de divorciaram, e agora aos 14, ela ainda tenta aceitar isto e conviver bem com os dois, quando despontam sinais de que algo não vai bem com ela.

E, em meio a uma crise de relacionamento com seu pai, ela  de alguma forma, consegue ter contato com o mundo de fantasia, que eles criaram em sua infância, e isto ao poucos, resgata e renova o amor e a relação dela com seu pai, e a ajuda a enfrentar batalha do retorno de seu câncer.

Não é uma narrativa leve, muito pelo contrário, é difícil ver uma criança passando por este tipo de situação, e existem mais fatores que poderiam tornar o livro pesado e difícil de ler, mas mesmo com um cenário denso, o autor consegue manter nossa atenção no livro, e torcer para que tanto Becky, quanto Tamarisk tenham um futuro mais promissor.

Enfim, eu não indicaria como um livro para distrair, mas digo que vale a pena passar um tempo com este livro.

Boa leitura!

Um comentário:

  1. Procurando resenhas sobre esse livro, encontrei algumas que odiaram o livro, e no meio delas essa sua com uma opinião mais madura! Valeu!
    Estou com ele aqui para ler qq hora dessas
    bjins
    Leila

    ResponderExcluir