segunda-feira, 24 de março de 2014

Os cães nunca deixam de amar

Livro: Os cães nunca deixam de amar
Autora: Tereza J. Rhyne
Gênero: Sick-lit / Biografia 
Editora: Universo dos Livros
312 Páginas
A emocionante história 
de uma advogada, seu cão adorável 
e um diagnóstico devastador ...


Sinopse:
Namorado novo, casa nova... Teresa Rhyne está tentando reestruturar a sua vida depois de dois casamentos fracassados. Porém, pouco tempo depois de ter adotado Seamus, um beagle totalmente incorrigível, os veterinários atestam que o cãozinho tem um tumor maligno e menos de um ano de vida. O diagnóstico deixa Teresa devastada, mas ela decide lutar e aprender tudo que está ao seu alcance sobre o melhor tratamento para Seamus. A bem-sucedida advogada não tinha como saber, naquele momento, que estava se preparando para o próximo grande obstáculo de sua vida: um diagnóstico de câncer de mama.
Na luta pela sobrevivência, batalhando contra uma doença mortal e abrindo seu coração para um relacionamento que parecia fadado ao fracasso, Teresa aprende com Seamus o verdadeiro significado da palavra amor. Uma história edificante e inspiradora sobre como um cachorro rouba nossos corações, nos mostra como viver e nos ensina a amar.

Minha opinião
O livro é bonito. Tendo dito isto, vou dizer também que ele me deixou profundamente irritada nos primeiros dois terços dele.
Pessoas, nós temos uma beagle em casa, a Frederica, então, eu super entendi tudo a respeito das atitudes co Seamus (pronuncia-se Cheymus), até por que, ela faz exatamente a mesma coisa, e a minha irmã age exatamente igual a Teresa em relação à ela. E a verdade é que, a Frederica é quem manda e a minha irmã é quem está sendo treinada. E é isto que me deixou irritada ... por que eu fiquei comparando e percebendo que lá em casa, é a mesma coisa, onde as vezes acho, que nós é que moramos de favor na nossa casa, por que a Frederica deixa, e não o contrário.
Enfim, 2/3 do livro são dedicados à rotina que a Teresa enfrenta com o câncer de Seamus  e cada mínimo detalhe ... por mais que eu goste de cães, é chato.
Já quando ela descobre o câncer dela, e o foco se volta para ela, é possível entender como uma pessoa, que passa por uma doença deste porte, se sente. Eu achei esta parte esclarecedora, e acima de tudo, acompanhar as dificuldades e vitórias de cada passo do tratamento. E, você chega ao final do livro, comemorando, junto com todos o fato de tanto Teresa quanto Seamus terem superado o grande vilão, chamado câncer.
Para quem não gosta nem de cães e nem de ler sobre as doenças, é melhor ficar longe, mas se você não se importa com nada disto, acho que vale pelo esclarecimento ou no mínimo, para saber como reagir quando alguém lhe der uma notícia deste porte.

Para quem resolver encarar, boa leitura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário