sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

A sensitiva

Livro:  A sensitiva
Autor: Hannah Howel
Gênero: Ficção
Editora: Lua de papel
224 Páginas

Sinopse:
Segredos e intrigas como o estopim de paixões perigosas.
Por toda a Londres do século XVIII, é possível ouvir sussurros e boatos sobre os dons inexplicáveis da família Wherlocke.
Mas o lorde Ashton, um homem com firme convicções, é uma das vozes mas céticas de seu tempo, e tudo caminhava para continuar assim … até encontrar uma bela mulher desacordada, largada no quarto de um bordel.
A mulher misteriosa é Penélope Wherlocke, e seu dom especial a levou para um mundo perigoso de alta sociedade, quando foi sequestrada, tratada como um produto e vendida a uma cafetina criminosa. Ao vê-la, Ashton ficou enfeitiçado. Algo lhe diz que deveria esquecê-la, mas é atraído cada vez mais para a vida dela, transformando-se em seu protetor.
Porém, Penélope é uma mulher com ideias próprias, algo que sempre a afastou dos homens de sua época, mas enfim encontra alguém seguro e capaz de lidar com suas habilidades sobrenaturais …

Minha opinião:
Vou dizer que, pelo fato de Chloe, do primeiro livro quase não ser mencionada no livro, me deixou um pouco decepcionada.
Eu gosto quando há algum tipo de continuidade, mas neste livro, é como se fosse uma história totalmente independente, mesmo mencionando a mesma família, e apenas no final serem mencionados rapidamente alguns dos personagens do primeiro livro.
E a narrativa é também muito parecida com o primeiro livro, no sentido de intrigas e  ameaças, mas neste caso a ameaça paira sobre um membro da família Wherlocke, Penélope.
O livro inicia com Pen sendo raptada e vendida a uma cafetina, que a dopa e coloca à disposição em seu bordel. Ela havia sido “encomendada” por uma distinta pessoa, mas a cafetina não leva isto em conta, e resolve dispor ela antes à um visconde, que recebeu de presente de seus amigos uma “despedida de solteiro” …
Depois de descobrir o que aconteceu, Lorde Ashton e seus amigos acabam se tornando os protetores de Penélope.
Penélope por sua vez foi incumbida de cuidar de todos os seus irmãos e primos, bastardos ou não, e abandonados por seus pais, por conta de seus diversos “dons”, que a maioria das pessoas não acredita ou se sentem ameaçadas por conta disto.
E, além de tudo, Pen está sendo lesada por seus meio irmãos Charles e Clarissa, que a relegaram ao anonimato e estão dilapidando a sua herança, e ao mesmo tempo precisa se proteger, pois está sofrendo atentados, e não sabe de onde estão vindo estas ameaças …
Muitas coisas acontecendo, mas ainda assim há tempo para um o romance entre Penélope e lorde Ashton florescer.
Como no primeiro livro, repito: Para quem quer uma leitura amena e rápida, é uma boa opção!

Bjs e boa leitura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário